Prejuízo Líquido

Publicado por ecohabitar a June 8, 2011 em Uso Racional da Água | Leia o primeiro comentário

in Folha de S. Paulo

TROCAR A VELHA DESCARGA E O CHUVEIRO GASTÃO PODE FAZER A CONTA DE ÁGUA DESPENCAR

EDUARDO GERAQUE

DE SÃO PAULO

Na próxima vez que você entrar no banheiro de sua casa, olhe o vaso sanitário. Se ele for equipado com a velha válvula de parede, o equipamento estará fazendo mal tanto para o ambiente quanto para o seu bolso. Durante um mês, os disparos dos botões da descarga podem representar 30% do consumo de uma casa.

“Esse é um ponto importante a ser atacado. Existem tecnologias no mercado que não custam mais caro que as tradicionais, e podem atenuar o problema”, diz Martha Nader, arquiteta especializada em sustentabilidade.

Uma válvula de parede joga esgoto abaixo com dois litros de água/segundo. Em dez segundos são 20 litros. Se cada membro de uma família de quatro pessoas for duas vezes ao banheiro por dia, em um mês, serão gastos, apenas com a descarga, 4,8 mil litros de água.

“Hoje, com as caixas acopladas de duplo acionamento [para urina e fezes], de três e seis litros, a economia pode ser brutal”, diz Nader. No exemplo da típica família brasileira, apenas com a água usada no vaso sanitário, a troca de descarga poderia gerar uma redução de 80% no consumo de água.

Para não sair do banheiro, o chuveiro é o segundo item que precisa ser avaliado. Em todas as lojas especializadas existem equipamentos baratos, chamados de redutores de vazão, que contribuem para baixar o consumo de água. Quem toma banho simplesmente, não percebe grande diferença, talvez apenas melhora na pressão da ducha. Mas quem paga a conta de água, certamente vai adorar a mudança.

Estimativas feitas pela Sabesp mostram que a redução no consumo de água de uma casa pode variar de 32% a 62% no final de um mês. Somadas, a água usada na descarga e no banho podem representar 50% da conta de uma residência tradicional.

FIM DO PINGA-PINGA

Você trocou as descargas e os chuveiros por equipamentos menos perdulários. A reforma contemplou ainda torneiras mais econômicas e uma nova máquina de lavar -alguns modelos lavam cinco quilos de roupa com mais de 100 litros de água. Um exagero, dizem os técnicos.

Mesmo assim, ainda há o que fazer para poupar água. Numa cidade como São Paulo, onde chove muito no verão, um projeto para captar e reutilizar a água da chuva, por exemplo, poderia reduzir ainda mais o consumo. “Nosso índice pluviométrico é alto. De dezembro a março é perfeitamente viável montar um sistema para não gastar um centavo com água para descargas”, diz Nader.

Ainda resta outra ação factível: uma boa revisão nos banheiros e na cozinha acaba com o famoso pinga-pinga das torneiras e baixa o consumo em mais 15%.

50%
Da conta de água de sua casa correspondem ao banho da família e à quantidade de descargas dadas durante o mês

Sua casa sustentável pronta em 60 dias por R$45 mil (II)

Publicado por ecohabitar a September 23, 2010 em Design Inteligente, Eficiência Energética, Uso Racional da Água | Leia o primeiro comentário

Quando, em Março, fizemos este post sobre o projeto “Minha Casa Holcim“, fomos inundados de e-mails que nos perguntaram como fazer para aderir, onde procurar, etc. Para os interessados, chega a notícia que a primeira unidade do projeto foi inaugurada no passado dia 14, em Viana, Espírito Santo.

O empreendimento foi possível graças a uma parceria com a loja Colodetti Materiais de Construção Ltda., que investiu cerca de R$ 500 mil para montar a construtora e adquirir equipamentos, quiosques e terrenos. Os donos prevêm a construção de outras 20 a 30 casas no decurso do próximo ano já que há mais de 40 interessados cadastrados.

Existem cinco modelos de habitação, com áreas de 46 m² a 68 m² cujo preço oscila entre R$ 1mil e R$ 1,2 mil por m². O grande diferencial do sistema é que o cliente compra na loja um pacote pronto que engloba projeto, todos os materiais e a mão-de-obra.

com informações de Construção Total, PINIweb e ESHoje

Sua casa sustentável pronta em 60 dias por R$45 mil

Publicado por ecohabitar a March 16, 2010 em Design Inteligente | 4 Comentários

Aos poucos, o conceito de construção industrializada, modular, começa a implantar-se no Brasil. Matéria do jornal O Globo dá conta do lançamento do Minha Casa Holcim, projeto louvável da Holcim Brasil, braço nacional da cimenteira que instituiu os Holcim Awards, a maior premiação do mundo para projetos de construção sustentável. A ideia foi desenvolvida conjuntamente com a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro e concilia diretrizes de construção sustentável com baixo custo já que o valor divulgado para venda, com material e mão de obra incluídos, é estimado em cerca de R$ 45 mil.

Os itens de sustentabilidade contemplam, por exemplo, uma tubulação que leva o óleo de cozinha  descartado para um recipiente retornável na área de serviço e uma lixeira compartimentada para separação e reciclagem de papel, plástico, metal e vidro. No capítulo de economia de luz, se optou por criar faixas de blocos transparentes sob as esquadrias e no alto de algumas paredes o que possibilita um maior aproveitamento da luz natural. A captação de água de chuva também foi prevista, dependendo apenas da instalação de uma caixa plástica junto à área de serviço.

Mas o que merece maior destaque pela novidade é a forma de comercialização. Segundo O Globo, será possível adquirir o projeto, assim como contratar a mão de obra e adquirir os itens necessários para erguer a casa em quiosques que serão montados em lojas de materiais de construção.

Sendo construções modulares, os componentes chegam em contêineres e o método construtivo é “seco”, sem necessidade de implantação de canteiro de obras, minimizando assim desperdícios e resíduos de obra e reduzindo o tempo de construção para cerca de 60 dias.

com informações de O Globo e PiniWeb